Blog do Fabio Jr

O blog que fala o que quer, porque nunca tem culpa de nada.

Pesquisar este blog

segunda-feira, 28 de março de 2016

Enquete: Qual o melhor grupo de compras e vendas do Facebook

Estão participando apenas grupos com mais de 20.000 membros. A pesquisa termina em 30 de Abril de 2016.

O vencedor recebera o selo de melhor grupo de vendas e trocas do Facebook o: MGDVT







Famílias na Indonésia mantem corpos de pessoas falecidas em casa por até 1 ano.


            

Os torajanas moram em regiões isoladas da ilha Sulawesi, na Indonésia. Por lá, a morte, como conhecemos no Ocidente, é apenas um ritual de transição: por isso, nunca o corpo da pessoa é enterrado logo após o seu falecimento. Os rituais costumam levar dias, semanas e até anos para acontecer.
Enquanto isso, o corpo dos entes que partiram continuam fazendo parte da família, recebendo visitas e até dando conselhos. É o caso da mãe de Yohana Palangda, que era vista como uma espécie de guru em sua aldeia e, mesmo passado mais de um ano de sua morte, continua tendo um lugar especial na casa de sua filha.









Debora Maupa morreu em 2009, aos 73 anos, mas seu corpo mumificado permanece na vila
Comida aos mortos
Nesse estado, o defunto é chamado de “makala”, que significa “pessoa doente”. Seu corpo é tratado com formalina, uma mistura de formaldeído e água que faz com que sua carne não apodreça. Com o tempo, isso acaba se transformando em um processo de mumificação. Porém, o cheiro do cadáver permanece, mas ele é atenuado com incensos de sândalo.
Os velórios costumam ser grandes celebrações – iguais a um casamento ou a um batizado, por exemplo. Eles demoram a acontecer porque na tradição torajana toda a família precisa estar reunida para se despedir do ente querido. Uma espécie de “pré-funeral” acontece logo após a morte da pessoa, que depois retorna para casa à espera do velório especial.
De volta ao lar, muitas pessoas até servem refeições aos falecidos. A jornalista Amanda relato o caso de uma família que havia perdido a mãe há duas semanas e mesmo assim servia 4 refeições por dia para ela: café da manhã, almoço, chá da tarde e janta.




Mortos continuam recebendo atenção como se estivessem apenas doentes

Grandes celebrações funerárias
Os grandes velórios são capazes de parar uma aldeia. Nem mesmo ambulâncias com pessoas doentes consegue passar a multidão. A jornalista definiu isso com: “Aqui, a morte supera a vida”. No ritual funerário, uma grande quantidade de búfalos é morta para oferecer aos convidados e para guiar o falecido “do lado de lá”.
Engana-se, entretanto, quem pensa que os torajanos cultuam a morte: muito pelo contrário, eles procuram tratamentos ocidentais para que a pessoa enferma não acabe falecendo. E quando isso enfim acontece, a tristeza toma conta da família assim como no Ocidente. O que muda, porém, é a maneira com que se encara esse período depois da morte.
Tudo isso começou com a chegada dos missionários holandeses na região, que transformaram essa parte do país, que é tradicionalmente muçulmano, em um reduto cristão. Os funerais seguem os ritos de leituras de textos específicos da Bíblia. Ainda não se sabe quando foi iniciada a cultura de demorar para fazer os enterros. No começo do século 20, quando a escrita chegou à região, pessoas já documentavam esse tipo de comportamento.




Quanto mais búfalos forem mortos, mais a pessoa tinha prestígio na aldeia
Turismo fúnebre
A jornalista tenta traçar um paralelo entre o que acontece na Indonésia com que o que praticamos no Ocidente. Citando os escritores Colin Murray Parkes e Holly G. Prigerson, do livro “Bereavement”, Amanda lembra que é comum, por aqui, mantermos um tipo de contato com nossos entes falecidos.
Muitas vezes, nós sentimos suas presenças e continuamos conversando com eles, mesmo após suas partidas. Não é incomum, inclusive, que a gente alegue ser capaz de vê-los em espectro. Quão diferente isso é da cultura torajana, que, grosso modo, também faz as mesmas coisas, só que com os corpos das pessoas na sala?
Essa tradição também serve como turismo: principalmente europeus e australianos costumam visitar a região de Sulawesi para conhecer seus rituais fúnebres. Para os habitantes locais, isso é uma prova de quão importante é a família e o quanto isso deve permanecer em sua cultura.




Turismo cresce na região
Segundo funeral
Você pode até achar uma desculpa para ir a um casamento, mas, se você tiver a oportunidade de ir ao funeral de um parente, você realmente vai dispensar essa última chance? A maioria com certeza não. Tanto que na Indonésia eles também servem para você conhecer membros familiares distantes.
O funeral é tão importante para eles que é repetido depois de alguns anos. Nesse segundo ritual, chamado de “ma’nene’”, os corpos dos antepassados são desenterrados para receber uma nova mortalha, além de lanches e cigarros. Isso acaba sendo uma forma de “matar a saudade” de quem já partiu há mais tempo.
Amanda Bennett termina sua matéria levantando algumas questões: “Como que nós ocidentais nos distanciamos tanto da morte? Como perdemos a sensação de estarmos ligados uns aos outros, à sociedade e ao universo?”. Fica a reflexão...



Cristina Banne morreu em 2011 e seu corpo é exumado para a realização de um segundo funeral


domingo, 13 de março de 2016

sexta-feira, 11 de março de 2016

Windows lança software para Linux

A Microsoft anunciou na ultima Segunda Feira, dia 7, que pela primeira vez colocará um de seus principais produtos no ambiente Linux.
A empresa informou que uma versão de seu programa de banco de dados o SQL Server passará a operar com o sistema operacional de fonte aberta.
Até o momento o software só era vendido em padrão Windows, refletindo a estreita integração que a Microsoft tradicionalmente emprega para proteger as receitas que aufere com seu sistema operacional.
A estrategia da empresa é conquistar um espaço maior no mercado de software de banco de dados.



Enchente de grande proporção atinge Itapevi na grande SP

A chuva castigou a cidade de Itapevi nesta madrugada, a chuva deixou muitos desabrigados e transito totalmente parado.
Vejam as fotos do caos que a cidade enfrenta neste momento.












sábado, 5 de março de 2016

Receita de brigadeiro de paçoca

Ingredientes

1 Lata de Leite Condensado
50g de Paçoca Moída
1 Colher (sopa) rasa de Manteiga
1 Gema de Ovo








Modo de preparo

Junte em uma panela o leite condensado, a manteiga e o ovo e misture bem.
Em seguida, acrescente a paçoca.
Depois de alcançar o ponto de brigadeiro é só esperar esfriar e, se quiser, fazer as bolinhas.

sexta-feira, 4 de março de 2016

Em depoimento Lula ataca a Globo: "Quero depois de tudo isso saber quem vai me dar um apartamento, será que a globo"

Em depoimento que acabou agora a pouco, o ex-presidente Lula atacou a globo por pelo menos duas vezes, fazendo questionamentos de que se a Globo lhe daria um apartamento.
Lula afirmou que não tem chácara e nem apartamento. e ainda disse que está muito chateado.

Lula diz que está disposto a entrar em aviões pra correr o país e se defender.


Ao fim Lula deixou a entender que pode sair candidato na próxima eleição.








terça-feira, 1 de março de 2016

Homem dá tiro na própria cabeça (Cenas fortíssimas)


Veja este vídeo apenas se tiver muita coragem. o homem sobreviveu, mas o susto foi muito grande.










Pirapora das 40 tochas, Fotos exclusivas e localização.


Cidade mitológica e desconhecida por muitos, agora vamos conhecer sua suposta localização, você irá identificar a famosa igreja do padre Sheyla, e ainda fotos da festa das 40 tochas.







Festa das 40 tochas



Rodovia Rio-Santos, acesso a cidade



Igreja da cidade



Vista aérea da cidade



Entrada oculta para a cidade




Localização exata





Obs.: O conteúdo deste post é fictício, Esta cidade não existe.